Padrões ICAO para luzes de obstrução

Capítulo 6 do Anexo 14 da ICAO, Volume I, “Procmsengineo e Operações de Aeródromos”, ICAO regula as características fotométricas da iluminação de obstáculos. Algumas recomendações são esclarecidas sobre como implantar luzes de obstrução para diferentes alturas de estruturas. As características de intensidade da iluminação de obstrução e a configuração recomendada são referenciadas no Anexo 14 do Volume I da ICAO "Procmsengineo e operações do aeródromo", 8ª edição, julho de 2018.

Características fotométricas e distribuições de luzes de obstáculos

Aqui, para aumentar a legibilidade, REDDOT reorganiza as características fotométricas da iluminação de obstrução por intensidade. Os critérios de luzes de obstrução regulamentados pela ICAO permanecem os mesmos.

Características da luz de obstrução de baixa intensidade da ICAO (Aerodrome Design and Operations 2018, pp. 200-201)
Tipo de luzCorTipo de sinal (taxa de flash)Intensidade de pico (cd) em determinada luminância de fundoPropagação do feixe verticalÂngulo de elevação vertical (requisitos mínimos)
Dia (acima de 500cd / m2)Crepúsculo (50- 500cd / m2)Noite (abaixo de 50cd / m2)
Baixa intensidade, Tipo A (obstáculo fixo)VermelhoFixoN / DN / D≥10cd≥10 °+ 2 ° - + 10 °
Baixa intensidade, Tipo B (obstáculo fixo)VermelhoFixoN / DN / D≥32cd≥10 °+ 2 ° - + 10 °
Baixa intensidade, Tipo C (obstáculo móvel)Amarelo azulPiscando (60-90fpm)N / D≥40cd≥40cd e ≤400cd≥12 °+ 2 ° - + 20 °
Baixa intensidade, Tipo D (obstáculo siga-me)AmareloPiscando (60-90fpm)N / D≥200cd≥200cd e ≤400cdN / DN / D
Baixa intensidade, Tipo E (obstáculo fixo)VermelhoPiscando (20-60fpm)N / DN / D≥32cd≥10 °+ 2 ° - + 10 °
Características da luz de obstrução de intensidade média e alta intensidade ICAO (Aerodrome Design and Operations 2018, pp. 200-201)
Tipo de luzCorTipo de sinal (taxa de flash)Intensidade de pico (cd) em determinada luminância de fundoPropagação vertical do feixe (requisitos mínimos)Propagação vertical do feixe (requisitos recomendados)Intensidade no ângulo de elevação vertical (requisitos mínimos)Intensidade no ângulo de elevação vertical (requisitos recomendados)
Dia (acima de 500cd / m2)Crepúsculo (50- 500cd / m2)Noite (abaixo de 50cd / m2)0 °-1 °0 °-1 °-10 °
Média intensidade, Tipo ABrancoPiscando (20-60fpm)20.000cd ± 25%2.000 cd ± 25%2.000 cd ± 25%≥3 °N / DDia: média: ≥20.000cd, mín .: ≥15.000cd; Noite: média: ≥2.000cd, mín .: ≥1.500cd;Dia: ≥7.500cd; Noite: ≥750cd;Dia: ≤25.000cd; Noite: ≤2.500cdDia: ≤11.250cd; Noite: 1.125cdDia: ≤750cd; Noite: ≤75cd
Média intensidade, Tipo BVermelhoPiscando (20-60fpm)N / DN / D2.000 cd ± 25%≥3 °N / Dmédia: ≥ 2.000cd, mín .: ≥1.500cd; ≥750cd≤2.500cd≤1,125cd≤75cd
Média intensidade, Tipo CVermelhoFixoN / DN / D2.000 cd ± 25%≥3 °N / Dmédia: ≥ 2.000cd, mín .: ≥1.500cd; ≥750cd≤2.500cd≤1,125cd≤75cd
Alta intensidade, Tipo ABrancoPiscando (40-60fpm)200.000cd ± 25%20.000cd ± 25%2.000 cd ± 25%≥3 °≤7 °Dia: média: ≥200.000cd, min .: ≥150.000cd; Crepúsculo: média: ≥20.000cd, mín .: ≥15.000cd; Noite: média: ≥2.000cd, mín .: ≥1.500cd;Dia: ≥75.000cd; Crepúsculo: 7.500cd Noite: ≥750cd;Dia: ≤250.000cd; Crepúsculo: ≤25.000cd; Noite: ≤2.500cdDia: ≤112.500cd; Crepúsculo: ≤11.250cd; Noite: ≤1,125cdDia: ≤7.500cd; Crepúsculo: ≤750cd; Noite: ≤75cd
Alta intensidade, Tipo BBrancoPiscando (40-60fpm)100.000cd ± 25%20.000cd ± 25%2.000 cd ± 25%≥3 °≤7 °Dia: média: ≥100.000cd, min .: ≥75.000cd; Crepúsculo: média: ≥20.000cd, mín .: ≥15.000cd; Noite: média: ≥2.000cd, mín .: ≥1.500cd;Dia: ≥37.500cd; Crepúsculo: 7.500cd Noite: ≥750cd;Dia: ≤125.000cd; Crepúsculo: ≤25.000cd; Noite: ≤2.500cdDia: ≤56.250cd; Crepúsculo: ≤11.250cd; Noite: ≤1,125cdDia: ≤3,750cd; Crepúsculo: ≤750cd; Noite: ≤75cd

Iluminação de obstrução para obcmsengineos fixos (espere turbinas eólicas, fios aéreos, cabos, etc., e torres de apoio)

Iluminação (Princípios Gerais)

6.2.3.10 No caso de um obcmsengineo a ser iluminado, uma ou mais luzes de obstáculo de baixa, média ou alta intensidade devem estar localizadas o mais próximo possível do topo do obcmsengineo.

Nota.— Recomendações sobre como uma combinação de luzes de baixa, média e / ou alta intensidade em obstáculos devem ser exibidas no Apêndice 5.

6.2.3.11 Recomendação.— No caso de chaminé ou outra estrutura de função semelhante, as luzes superiores devem ser colocadas suficientemente abaixo do topo de modo a minimizar a contaminação por fumaça, etc. (Ver Figura 6-2).

6.2.3.12 No caso de uma torre ou estrutura de antena indicada por luzes de obstáculo de alta intensidade durante o dia com um acessório, como uma haste ou antena, maior que 12 m onde não for praticável localizar uma luz de obstáculo de alta intensidade no topo do acessório, tal luz deve ser localizada no ponto mais alto praticável e, se possível, uma luz de obstáculo de média intensidade, Tipo A, montada no topo.

6.2.3.13 No caso de um obcmsengineo extenso ou de um grupo de obcmsengineos espaçados próximos a serem iluminados que são:

a) penetrar em uma superfície de limitação de obstáculo horizontal (OLS) ou localizado fora de um OLS. as luzes de topo devem ser dispostas de forma a, pelo menos, indicar os pontos ou bordas do obcmsengineo mais alto em relação à superfície de limitação de obstáculos ou acima do solo, e de forma a indicar a definição geral e a extensão dos obcmsengineos; e

b) penetrar em um OLS inclinado. as luzes superiores devem ser dispostas de modo a, pelo menos, indicar os pontos ou bordas do obcmsengineo mais alto em relação ao OLS, e de modo a indicar a definição geral e a extensão dos obcmsengineos. Se duas ou mais bordas forem da mesma altura, a borda mais próxima da área de queda deve ser marcada.

6.2.3.14 Recomendação.— Quando a superfície de limitação de obstáculo em questão é inclinada e o ponto mais alto acima do OLS não é o ponto mais alto do obcmsengineo, luzes adicionais de obstáculo devem ser colocadas no ponto mais alto do obcmsengineo.

6.2.3.15 Onde as luzes são aplicadas para exibir a definição geral de um obcmsengineo extenso ou um grupo de obcmsengineos próximos espaçados, e

a) são utilizadas luzes de baixa intensidade, as quais devem ser espaçadas em intervalos longitudinais não superiores a 45 m; e

b) sejam utilizadas luzes de média intensidade, as quais devem ser espaçadas em intervalos longitudinais não superiores a 900 m.

6.2.3.16 Luzes de obstáculo de alta intensidade. Tipo A. e luzes de obstáculos de intensidade média. Os tipos A e B, localizados em um obcmsengineo, devem piscar simultaneamente.

6.2.3.17 Recomendação.— Os ângulos de configuração da instalação para luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo A, devem estar de acordo com a Tabela 6-5.

Nota.— Luzes de obstáculo de alta tensão são destinadas para uso diurno e noturno. É necessário cuidado para garantir que essas luzes não criem ofuscamento desconcertante. Orientações sobre o procmsengineo, localização e operação de luzes de obstáculo de alta intensidade são fornecidas no Manual de Procmsengineo do Aeródromo (Doc 9157), Parte 4.

6.2.3.18 Recomendação.— Quando, na opinião da autoridade competente, o uso de luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo A, ou luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo A, à noite pode ofuscar os pilotos nas proximidades de um aeródromo (dentro de aproximadamente 10 000 raio m) ou causar preocupações ambientais significativas, um sistema de iluminação de obstáculos duplo deve ser fornecido. Este sistema deve ser composto por luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo A, ou luzes de obstáculo de intensidade média, Tipo A, conforme apropriado, para uso diurno e crepuscular e luzes de obstáculo de intensidade média, Tipo B ou C, para uso noturno .

Iluminação de obcmsengineos com uma altura inferior a 45 polegadas acima do nível do solo

6.2.3.19 Recomendação.— Luzes de obstáculo de baixa intensidade, Tipo A ou B, devem ser usadas onde o obcmsengineo é menos extenso e sua altura acima do solo ao redor é inferior a 45 m.

6.2.3.20 Recomendação.— Quando o uso de luzes de obstáculos de baixa intensidade, Tipo A ou B, for inadequado ou um aviso especial precoce for necessário, então luzes de obstáculos de média ou alta intensidade devem ser usadas.

6.2.3.21 Recomendação.— Luzes de obstáculo de baixa intensidade, Tipo B, devem ser usadas sozinhas ou em combinação com luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo B, de acordo com 6.2.3.22.

6.2.3.22 Recomendação.— Luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo A, B ou C, devem ser usadas onde o obcmsengineo é extenso. Luzes de obstáculo de intensidade média, Tipos A e C, devem ser usadas sozinhas, enquanto luzes de obstáculo de intensidade média, Tipo B, devem ser usadas sozinhas ou em combinação com luzes de obstáculo de baixa intensidade, Tipo B.

Nota.-Um grupo de edifícios é considerado um obcmsengineo extenso.

Iluminação de obcmsengineos com uma altura de 45 polegadas a menos de 150 m acima do nível do solo

6.2.3.23 Recomendação.— Luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo A, B ou C, devem ser usadas. Luzes de obstáculo de média intensidade, Tipos A e C, devem ser usadas sozinhas, enquanto as luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo B, devem ser usadas sozinhas ou em combinação com luzes de obstáculos de baixa intensidade, Tipo B.

6.2.3.24 Onde um obcmsengineo é indicado por luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo A, e o topo do obcmsengineo está mais de 105 m acima do nível do terreno circundante ou da elevação dos topos de edifícios próximos (quando o obcmsengineo a ser marcado é rodeado por edifícios), luzes adicionais devem ser fornecidas em níveis intermediários. Essas luzes intermediárias adicionais devem ser espaçadas tão igualmente quanto possível, entre as luzes superiores e o nível do solo ou o nível dos topos de edifícios próximos, conforme apropriado, com o espaçamento não superior a 105 m.

6.2.3.25 Onde um obcmsengineo é indicado por luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo B, e o topo do obcmsengineo está mais de 45 m acima do nível do solo circundante ou a elevação dos topos de edifícios próximos (quando o obcmsengineo a ser marcado é rodeado por edifícios), luzes adicionais devem ser fornecidas em níveis intermediários. Essas luzes intermediárias adicionais devem ser alternadamente luzes de obstáculo de baixa intensidade, Tipo B, e luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo B, e devem ser espaçadas tão igualmente quanto possível entre as luzes superiores e o nível do solo ou o nível dos topos de edifícios próximos, conforme apropriado, com espaçamento não superior a 52 m.

6.2.3.26 Quando um obcmsengineo é indicado por luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo C, e o topo do obcmsengineo está mais de 45 m acima do nível do solo circundante ou a elevação dos topos de edifícios próximos (quando o obcmsengineo a ser marcado é rodeado por edifícios), luzes adicionais devem ser fornecidas em níveis intermediários. Essas luzes intermediárias adicionais devem ser espaçadas tão igualmente quanto possível, entre as luzes superiores e o nível do solo ou o nível dos topos de edifícios próximos, conforme o caso, com o espaçamento não superior a 52 m.

6.2.3.27 Onde luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo A, são usadas, elas devem ser espaçadas em intervalos uniformes não superiores a 105 m entre o nível do solo e as luzes superiores especificadas em 6.2.3.10, exceto quando um obcmsengineo ser marcada é circundada por edifícios, a elevação dos topos dos edifícios pode ser usada como o equivalente ao nível do solo para determinar o número de níveis de iluminação.

Iluminação de obcmsengineos com altura de 150 m ou mais acima do nível do solo

6.2.3.28 Recomendação.— Luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo A, devem ser usadas para indicar a presença de um obcmsengineo se sua altura acima do nível do solo circundante exceder 150 m e um estudo aeronáutico indicar que tais luzes são essenciais para o reconhecimento do obcmsengineo por dia.

6.2.3.29 Onde luzes de obstáculo de alta intensidade. São usados tipo A., eles devem ser espaçados em intervalos uniformes não excedendo 105 m entre o nível do solo e a (s) luz (s) superior (es) especificadas em 6.2.3.10. exceto que quando um obcmsengineo a ser marcado é cercado por edifícios, a elevação dos topos dos edifícios pode ser usada como o equivalente ao nível do solo para determinar o número de níveis de iluminação.

6.2.3.30 Recomendação.- Quando, na opinião da autoridade competente, a utilização de luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo A, à noite pode ofuscar os pilotos nas proximidades de um aeródromo (num raio de aproximadamente 10 000 m) ou causar problemas ambientais significativos, as luzes de obstáculos de intensidade, Tipo C, devem ser usadas sozinhas, enquanto as luzes de obstáculos de média intensidade, Tipo B, devem ser usadas sozinhas ou em combinação com luzes de obstáculos de baixa intensidade, Tipo B.

6.2.3.31 Quando um obcmsengineo é indicado por luzes de obstáculos de média intensidade, Tipo A, luzes adicionais devem ser fornecidas em níveis intermediários. Essas luzes intermediárias adicionais devem ser espaçadas tão igualmente quanto possível, entre as luzes superiores e o nível do solo ou o nível dos topos de edifícios próximos, conforme apropriado, com o espaçamento não superior a 105 m.

6.2.3.32 Quando um obcmsengineo é indicado por luzes de obstáculo de intensidade média, Tipo B, luzes adicionais devem ser fornecidas em níveis intermediários. Essas luzes intermediárias adicionais devem ser alternadamente luzes de obstáculos de baixa intensidade. Tipo B. e luzes de obstáculos de intensidade média. Tipo B. e devem ser espaçados tão igualmente quanto possível entre as luzes superiores e o nível do solo ou o nível dos topos de edifícios próximos, conforme apropriado, com o espaçamento não superior a 52 m.

6.2.3.33 Quando um obcmsengineo é indicado por luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo C, luzes adicionais devem ser fornecidas em níveis intermediários. Essas luzes intermediárias adicionais devem ser espaçadas tão igualmente quanto possível, entre as luzes superiores e o nível do solo ou o nível dos topos de edifícios próximos, conforme o caso, com o espaçamento não superior a 52 m.

Iluminação de marcação / obstrução para turbinas eólicas

6.2.4 Turbinas eólicas

6.2.4.1 Uma turbina eólica deve ser marcada e / ou iluminada se for considerada um obstáculo.

Nota 1.— Iluminação ou marcações adicionais podem ser fornecidas quando, na opinião do estado, tais iluminação ou marcações são consideradas necessárias.

Marcações para turbinas eólicas

6.2.4.2 Recomendação.— As pás do rotor, nacela e 2/3 superiores do mastro de suporte das turbinas eólicas devem ser pintados de branco, a menos que indicado de outra forma por estudo aeronáutico.

Iluminação de obstrução para turbinas eólicas

6.2.4.3 Recomendação.- Quando a iluminação for considerada necessária, no caso de um parque eólico, ou seja, um grupo de duas ou mais turbinas eólicas, o parque eólico deve ser considerado um obcmsengineo extenso e as luzes devem ser instaladas:

a) identificar o perímetro do parque eólico;

b) respeitar o espaçamento máximo, de acordo com 6.2.3.15, entre as luzes ao longo do perímetro, a menos que uma avaliação específica mostre que um espaçamento maior pode ser utilizado;

c) de forma que, onde forem utilizadas luzes intermitentes, pisquem simultaneamente em todo o parque eólico;

d) de forma que, dentro de um parque eólico, quaisquer turbinas eólicas de nível significativamente mais elevado também sejam identificadas onde quer que estejam localizadas; e

e) nos locais prescritos em a), b) ed), respeitando os seguintes critérios:

  1. para turbinas eólicas com menos de 150 m de altura total (altura do cubo mais altura da pá vertical), deve ser fornecida iluminação de média intensidade na nacela;
  2. para turbinas eólicas de 150 m a 315 m de altura total, além da luz de média intensidade instalada na nacela, uma segunda luz servindo como alternativa em caso de falha da luz de operação. As luzes devem ser instaladas para certifique-se de que a saída de uma das luzes não seja bloqueada pela outra; e
  3. além disso, para turbinas eólicas de 150 m a 315 m de altura total, um nível intermediário na metade da altura da nacela de pelo menos três lâmpadas de baixa intensidade Tipo E, conforme especificado em 6.2.1.3, deve ser fornecido. Se um estudo aeronáutico mostrar que as luzes do Tipo E de baixa intensidade não são adequadas, as luzes do Tipo A ou B de baixa intensidade podem ser usadas.

Nota.— O 6.2.4.3 e) acima não se aplica a turbinas eólicas com mais de 315 m de altura total. Para tais turbinas eólicas, marcação e iluminação adicionais podem ser necessárias conforme determinado por um estudo aeronáutico.

6.2.4.4 Recomendação.- As luzes de obstáculo devem ser instaladas na nacela de modo a fornecer uma visão desobstruída para aeronaves que se aproximam de qualquer direção.

6.2.4.5 Recomendação.- Quando a iluminação for considerada necessária para uma única turbina eólica ou linha curta de turbinas eólicas, a instalação deve estar de acordo com 6.2.4.3 e) ou conforme determinado por um estudo aeronáutico.

Marcação de iluminação de obstrução para fios aéreos, cabos, etc. e torres de suporte

6.2.5 Fios, cabos, etc., e torres de suporte

Marcando

6.2.5.1 Recomendação.- Os fios, cabos, etc., a serem marcados, devem estar equipados com marcadores; a torre de suporte deve ser colorida.

Marcação por cores

6.2.5.2. Recomendação.- As torres de suporte de fios aéreos, cabos, etc., que requerem marcação devem ser marcadas de acordo com 6.2.3.1 a 6.2.3.4, exceto que a marcação das torres de suporte pode ser omitida quando elas são iluminadas por altas luzes de obstáculo de intensidade durante o dia.

Marcação por marcadores

6.2.5.3. Os marcadores exibidos sobre ou adjacentes a obcmsengineos devem estar localizados em posições conspícuas de modo a reter a definição geral do obcmsengineo e devem ser reconhecíveis em tempo claro a uma distância de pelo menos 1 000 m para um obcmsengineo a ser visto do ar e 300 m para um obcmsengineo a ser visto do solo em todas as direções nas quais uma aeronave provavelmente se aproximará do obcmsengineo. A forma dos marcadores deve ser distinta na medida necessária para garantir que não sejam confundidos com marcadores empregados para transmitir outras informações, e devem ser tais que o perigo apresentado pelo obcmsengineo que marcam não seja aumentado.

6.2.5.4. Recomendação.— Um marcador exibido em um fio suspenso, cabo, etc., deve ser esférico e ter um diâmetro não inferior a 60 cm.

6.2.5.5. Recomendação.- O espaçamento entre dois marcadores consecutivos ou entre um marcador e uma torre de suporte deve ser adequado ao diâmetro do marcador, mas em nenhum caso o espaçamento deve exceder:

  1. 30 m onde o diâmetro do marcador é de 60 cm, aumentando progressivamente com o diâmetro do marcador para
  2. 35 m onde o diâmetro do marcador é de 80 cm e aumentando progressivamente até um máximo de
  3. 40 m onde o diâmetro do marcador é de pelo menos 130 cm.

Quando vários fios, cabos, etc. estão envolvidos, um marcador deve ser localizado não mais baixo do que o nível do fio mais alto no ponto marcado.

6.2.5.6. Recomendação.— O marcador deve ser de uma cor. Quando instalado, os marcadores branco e vermelho ou branco e laranja devem ser exibidos alternadamente. A cor selecionada deve contrastar com o fundo contra o qual será vista.

6.2.5.7. Recomendação.- Quando for determinado que um fio suspenso, cabo, etc., precisa ser marcado, mas não é praticável instalar marcadores no fio, cabo, etc., então as luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo B, devem ser fornecidos em suas torres de apoio.

Iluminação

6.2.5.8. Recomendação.- Luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo B, devem ser usadas para indicar a presença de uma torre suportando fios, cabos, etc., onde:

  1. um estudo aeronáutico indica que tais luzes são essenciais para o reconhecimento da presença de fios, cabos, etc .; ou
  2. não foi considerado praticável instalar marcadores nos fios, cabos, etc.

6.2.5.9 Onde luzes de obstáculo de alta intensidade. Tipo B. são usados, eles devem estar localizados em três níveis:

  • no topo da torre;
  • no nível mais baixo da catenária dos fios ou cabos: e
  • aproximadamente a meio caminho entre esses dois níveis.

Nota.— Em alguns casos, isso pode exigir a localização das luzes fora da torre.

6.2.5.10 Recomendação.- Luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo B, indicando a presença de uma torre suportando fios, cabos, etc., devem piscar sequencialmente; primeiro a luz do meio, segundo a luz superior e, por último, a luz inferior. Os intervalos entre os flashes das luzes devem se aproximar das seguintes proporções:

Intervalo de flash entreRazão do tempo de ciclo
luz média e superior1/13
luz superior e inferior2/13
luz inferior e superior10/13

Nota.— Luzes de obstáculo de alta intensidade são destinadas para uso diurno e noturno. É necessário cuidado para garantir que essas luzes não criem ofuscamento desconcertante. Orientações sobre o procmsengineo, operação e localização de luzes de obstáculo de alta tensão são fornecidas no Manual de Procmsengineo do Aeródromo (Doc 9157), Parte 4.

6.2.5.11 Recomendação.- Quando, na opinião da autoridade competente, a utilização de luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo B, à noite pode ofuscar os pilotos nas proximidades de um aeródromo (num raio de aproximadamente 10 000 m) ou causar problemas ambientais significativos, um duplo sistema de iluminação de obstáculos deve ser fornecido. Este sistema deve ser composto por luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo B, para uso diurno e crepuscular e luzes de obstáculo de média intensidade, Tipo B, para uso noturno. Onde luzes de intensidade média são usadas, elas devem ser instaladas no mesmo nível que a luz de obstáculo de alta intensidade Tipo B.

6.2.5.12 Recomendação.- Os ângulos de configuração da instalação para luzes de obstáculo de alta intensidade, Tipo B, devem estar de acordo com a Tabela 6-5.

Altura da unidade de luz acima do terreno (AGL)Ângulo do pico do feixe acima da horizontal
Maior queNão exceder
151m0 °
122m151m1 °
92m122m2 °
92m3 °
Tabela 6-5. Ângulos de configuração de instalação para luzes de obstáculo de alta intensidade

Apêndice 5

Anexo ICAO 14 Vol I A5 1
Figura A5-1 Sistema de iluminação de obstáculo branco intermitente de média intensidade, Tipo A, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' da ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.
Anexo ICAO 14 Vol I A5 2
Figura A5-2 Sistema de iluminação de obstáculo vermelho intermitente de média intensidade, Tipo B, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' da ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.
Anexo ICAO 14 Vol I A5 3
Figura A5-3 Sistema de iluminação de obstáculo vermelho fixo de média intensidade, Tipo C, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' da ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.
Anexo ICAO 14 Vol I A5 4
Figura A5-4 Sistema de iluminação de obstáculos vermelho / branco duplo de média intensidade, Tipo A / B, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' por ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.
Anexo 14 da ICAO, capítulo 6, App 5 5
Figura A5-5 Sistema de iluminação de obstáculos vermelho / branco duplo de média intensidade, Tipo A / C, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' por ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.
Anexo ICAO 14 Vol I A5 6
Figura A5-6 Sistema de iluminação de obstáculo branco intermitente de alta intensidade, Tipo A, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' da ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.
Anexo ICAO 14 Vol I A5 7
Figura A5-7 Sistema de iluminação de obstáculos duplos de alta / média intensidade, Tipo A / B, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' por ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.
Anexo ICAO 14 Vol I A5 8
Figura A5-8 Sistema de iluminação de dois obstáculos de alta / média intensidade, Tipo A / C, fonte de 'Aerodrome Design and Operations' da ICAO 2018, 'Aerodrome Design and Operations', Anexo 14, Vol.I. Copyright 2018 da ICAO.

Referência

Aeródromos, VI, 2018. Procmsengineo e operações de aeródromos, Anexo 14 da convenção sobre Aviação Civil Internacional. Organização Internacional de Aviação Civil.

Índice